<a .="" data-cke-saved-href="javascript:history.go(-1)" href="javascript:history.go(-1)" img.imgrolln="img.src;img.src=img.lowsrc?img.lowsrc:img.getAttribute?img.getAttribute(" lowsrc"):img.src;""="" onmouseout="document[" onmouseover="var img=document[" data-cke-saved-src="document[" src="document[" style="FONT-FAMILY: Arial,sans-serif; COLOR: blue; TEXT-DECORATION: underline; text-underline: single">


GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS

Gabinete Civil da Governadoria
Superintendência de Legislação


LEI Nº 17.030, DE 02 DE JUNHO DE 2010
- Revogado pela Lei nº 20.622, de 04-11-2019, art. 1º, II.

 

Extingue o Programa de Participação em Resultados, previsto na Lei n° 16.382/08.

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Fica extinto o Programa de Participação em Resultados (PPR), da Secretaria da Fazenda (SEFAZ), instituído pela Lei n° 16.382, de 21 de novembro de 2008.

Art. 2º Ao servidor em efetivo exercício na SEFAZ, que participa do PPR previsto na Lei n° 16.382, de 21 de novembro de 2008, e na Lei n° 16.903, de 27 de janeiro de 2010, fica assegurado o direito de integrar, à sua remuneração, a Gratificação de Participação em Resultados (GPR), sob o título de:

I – Ajuste de Remuneração (AR), quando se tratar de servidor ocupante de cargo de provimento efetivo ou emprego público permanente, que integre quadro de pessoal da Secretaria da Fazenda;

II - “Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada” (VPNI), para os servidores efetivos pertencentes aos demais quadros de pessoal do Poder Executivo.
- Redação dada pela Lei nº 20.491, de 25-06-2019, art. 80.
- Vide Lei nº 20.491, de 25-06-2019, art. 80, parágrafo unico. (que suprime a vantagem)

II – “Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada” (VPNI), para os demais servidores.

§ 1° O Ajuste de Remuneração atenderá ao seguinte:

I – será percebido em caráter permanente e integrará, para todos os efeitos legais, a base de cálculo para fins previdenciários;

II – caso o servidor já perceba verba remuneratória a título de Ajuste de Remuneração, o valor dessa verba será acrescido ao da vantagem prevista neste parágrafo;

III – será atualizado pelo mesmo índice e na mesma data em que se der reajuste ou revisão geral aplicado ao vencimento dos servidores que o percebam;

IV – será absorvido pelo acréscimo do valor do vencimento ou do salário, somente quando da promoção ou da progressão.

§ 2º O valor da VPNI não se incorpora, em qualquer hipótese, ao do vencimento e nem constitui base de cálculo para fins previdenciários, sendo objeto de atualização quando da revisão geral dos servidores públicos estaduais.
- Redação dada pela Lei nº 20.491, de 25-06-2019, art. 80.

§ 2° A VPNI será percebida pelo servidor enquanto estiver em exercício na Secretaria da Fazenda e o seu valor não se incorpora, em qualquer hipótese, ao do vencimento e nem constitui base de cálculo para fins previdenciários, sendo objeto de atualização quando da revisão geral dos servidores públicos estaduais.

§ 3º Sem prejuízo do disposto no § 2°, o valor da VPNI será absorvido pelo vencimento ou pelo salário a que o servidor fizer jus, na forma do § 1°, IV, deste artigo.

Art. 3° O Ajuste de Remuneração apurado na forma dos §§ 1° ao 4° do art. 18 da Lei n° 16.921, de 18 de fevereiro de 2010, será regido pelas normas previstas no § 1° do art. 2° desta Lei.

Art. 4° Para os efeitos de percepção das vantagens remuneratórias previstas nesta Lei, bem como nas Leis n° 16.382, de 21 de novembro de 2008, nº 16.555, de 20 de maio de 2009, nº 16.560, de 27 de maio de 2009, e n° 16.903, de 27 de janeiro de 2010, considera-se em exercício na Secretaria da Fazenda o servidor que fizer jus a essas vantagens e esteja ou venha a ser colocado à disposição de entidade jurisdicionada à SEFAZ.

Art. 5° Em decorrência do disposto nesta Lei, fica fixado o valor de R$ 4.597.829,00 (quatro milhões, quinhentos e noventa e sete mil, oitocentos e vinte nove reais) para a Verba Destinada aos Demais Servidores (VDS), de que trata o inciso II do § 1° do art. 4° da Lei n° 16.382/08.

Parágrafo único. Para efeitos de cálculo das vantagens previstas nesta Lei:

I – observar-se-ão os arts. 1° e 3° da Lei n° 16.903, de 27 de janeiro de 2010;

II – não será observado o § 8° do art. 4° da Lei n° 16.382, de 21 de novembro de 2008, para os servidores que ingressaram na Secretaria da Fazenda até a data da publicação da Lei nº 16.903, de 27 de janeiro de 2010;

III – considera-se de efetivo exercício o afastamento decorrente de:

a) férias;

b) casamento;

c) luto;

d) licença prêmio;

e) licença maternidade;

f) licença médica;

g) licença para exercício de representação de classe.

Art. 6º VETADO.

Parágrafo único. VETADO.

Art. 7° As despesas decorrentes do disposto nesta Lei serão custeadas pela dotação com pessoal e encargos sociais da Secretaria da Fazenda.

Art. 8° Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, produzindo seus efeitos a partir de 1º de junho de 2010.

Art. 9° Ficam revogados:

I – a Lei n° 16.382, de 21 de novembro de 2008;

II – a Lei n° 16.903, de 27 de janeiro de 2010;

III – os §§ 1° ao 4° do art. 18 da Lei n° 16.921, de 18 de fevereiro de 2010.

PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS, em Goiânia, 02 de junho de 2010, 122o da República.

ALCIDES RODRIGUES FILHO

(D.O. de 10-06-2010)

Este texto não substitui o publicado no D.O. de 10-06-2010.